NFJ#283 ūüćā Frilando na pandemia? Veja dicas e recursos

Jornalismo de opini√£o ainda √© jornalismo e precisa ser baseado em fatos, o jornalismo de opini√£o no Brasil √© um homem branco, Brasil √© l√≠der em desinforma√ß√£o sobre n√ļmero de casos e mortes da Covid-19

Share

Oi, gente! Olha nós aqui de novo :-)

Quem abre a Newsletter Farol Jornalismo 283 é a Lívia.

Como o Moreno avisou, estamos de volta √†s sextas-feiras. Fizemos um teste de quatro edi√ß√Ķes com o envio na segunda, mas n√£o achamos que funcionou. Ent√£o voltamos! N√£o s√≥ para contar o que aconteceu de mais importante no jornalismo durante a semana, mas tamb√©m para desejar a voc√™s um bom final de semana. Mas voc√™s v√£o notar que a NFJ deve chegar mais cedo: no m√°ximo at√© ao meio-dia de sexta.

Melhor, né?

Uma coisa importantes antes de come√ßarmos. Subimos o v√≠deo do evento que realizamos em parceria com Afonte Jornalismo de Dados e Matinal Jornalismo. Se voc√™s n√£o lembram, no dia 1¬ļ de junho batemos um papo sobre mudan√ßas na pr√°tica jornal√≠stica durante a pandemia com colegas de diferentes regi√Ķes do pa√≠s. Assistam!

Bom, vamos lá. A curadoria da edição de hoje foi feita por mim, pelo Moreno e pela Marcela, com texto meu e edição do Moreno.

Bora?


ūüćā Como os freelancers est√£o se adaptando √† crise da Covid-19? Neste webn√°rio do ICFJ, a jornalista multim√≠dia independente Melissa Noel e o editor-chefe da BBC Africa Marc Perkins d√£o orienta√ß√Ķes importantes: comece a olhar para pautas al√©m do coronav√≠rus, pois os editores est√£o come√ßando a se interessar por elas; como o freelancer j√° est√° acostumado a certa instabilidade profissional, √© essencial ter mais de um fluxo de renda, trabalhar com v√°rias organiza√ß√Ķes e ter diferentes habilidades que se adaptam a diferentes trabalhos; fique de olho em fellowships e oportunidades de financiamento de reportagens; ao inv√©s de s√≥ apresentar uma ideia para o editor, mostre-a mais desenvolvida, para que ele entenda sua pesquisa pr√©via no assunto. Este outro relato da freelancer Monica Castillo destaca o pre√ßo emocional e mental. ‚ÄúO freelancing sempre veio com certo n√≠vel de incerteza. Mas a pandemia trouxe novas crises de ansiedade, depress√£o, tristeza, solid√£o, ins√īnia e outras coisas que dificultam o foco no trabalho‚ÄĚ. Imposs√≠vel n√£o se identificar com ela, n√©? Para apoiar os freelancers baseados na Europa e tentar encontrar sa√≠das, o European Journalism Centre criou a Freelance Journalism Assembly. Voc√™s conhecem alguma iniciativa desse tipo no Brasil? Contem pra gente! Basta responder este email. Vejam ainda essas 7 dicas de seguran√ßa para o trabalho em casa. E sabem aquele burburinho e o corre-corre t√≠pico das reda√ß√Ķes? Eles podem nunca mais voltar. O coronav√≠rus for√ßou jornalistas a sair das reda√ß√Ķes para o home office, e a economia feita pelas empresas pode impedi-los de voltar, principalmente nas organiza√ß√Ķes menores.


ūüćā Neste texto para o N√≥s, mulheres da periferia, Semaya Oliveira analisa que a imprensa brasileira n√£o tem contribu√≠do para o avan√ßo da discuss√£o antirracista e cita como exemplo o assassinato do menino Jo√£o Pedro, tratado como mais um fato isolado, sem associa√ß√£o com o racismo. Levantamento de Marcia Rangel, Lidiane Vieira e Jo√£o Feres, do Gemaa, analisou 287 colunistas de Estad√£o, Folha e O Globo e identificou que 68% s√£o homens brancos, 28% s√£o mulheres brancas, 2% s√£o mulheres negras e 2% s√£o homens negros. A produ√ß√£o de opini√£o nesses jornais est√°, de forma majorit√°ria, a cargo de homens brancos, com grande subrepresenta√ß√£o de homens e mulheres negras. No Estad√£o, nenhuma pessoa negra opina sobre pol√≠tica e economia. O Nieman Lab compilou nesta thread v√°rios relatos de jornalistas com experi√™ncias de racismo na m√≠dia. Urgente e pesado. Barbara Allen, do Poynter, levanta outro ponto importante na rela√ß√£o entre jornalismo e quest√Ķes raciais: a responsabilidade dos professores na mentoria dos estudantes negros. ‚ÄúComo educador de jornalismo, especialmente se voc√™ √© branco, est√° ciente de que algu√©m pode estar enfrentando (pela en√©sima vez na vida) a perspectiva de ser o √ļnico aluno negro da turma?‚ÄĚ.


ūüćā Brasil lidera desinforma√ß√£o sobre n√ļmero de casos e mortes por Covid-19 no mundo, informa a Ag√™ncia Lupa, a partir de consulta em bases p√ļblicas de checagem. E para mostrar que as fake news s√£o um problema antigo, Adriana Carranca relembra esta capa da Veja sobre a epidemia da desinforma√ß√£o durante o surto de meningite no Brasil em 1972. ‚ÄúMilitares omitiram dados, proibiram m√©dicos de dar entrevistas e orientaram autoridades sanit√°rias a negar epidemia. Doen√ßa se alastrou sem que a popula√ß√£o soubesse dos riscos‚ÄĚ. O Estad√£o registrou esse fato em seu acervo. De acordo com a IFCN, o grande aumento de checagens sobre a pandemia atraiu audi√™ncias sem precedentes para os sites das ag√™ncias de fact-checking. Isso tamb√©m est√° acontecendo com a m√≠dia independente: a Ag√™ncia Mural informa, neste texto da GIJN, que a visualiza√ß√£o de p√°ginas de seu site cresceu 169%, ‚Äúa maioria delas proveniente de pesquisas org√Ęnicas, sugerindo que as pessoas estavam buscando ativamente informa√ß√Ķes confi√°veis e precisas sobre a crise‚ÄĚ. √Č tamb√©m da GIJN esta planilha com fontes sobre dados da Covid-19. Baixem este guia do Media Development Investment Fund (aqui traduzido por Priscila Brito para o portugu√™s), com orienta√ß√Ķes para minimizar o impacto da crise provocada pela Covid-19 nas organiza√ß√Ķes jornal√≠sticas. E para quem mora em S√£o Paulo, vejam este mapa interativo da USP que mostra quantos de seus vizinhos contra√≠ram o coronav√≠rus.


ūüćā Uma sele√ß√£o de links sobre o apag√£o de dados do governo, que foi obrigado pelo STF a retomar a divulga√ß√£o de dados da Covid-19 acumulados. Preparados e preparadas? Foi! Mudan√ßa de divulga√ß√£o ocorreu ap√≥s Bolsonaro exigir n√ļmero de mortes por Covid-19 abaixo de mil por dia, no Estad√£o. | Apag√£o em dados da Covid-19 afeta pretens√Ķes globais do Brasil, na DW. | Brasil √© destaque no mundo por n√£o divulgar dados de mortes por Covid-19, na BBC Brasil. | Leitores elogiam uni√£o de jornais para divulgar dados da Covid, na Folha. | Carta aberta "A opacidade custa vidas", na Abraji e mais 100 organiza√ß√Ķes. | E mais tr√™s fatos pol√≠ticos que envolvem o jornalismo: Bolsonaro recria Minist√©rio das Comunica√ß√Ķes e entrega pasta a genro de Silvio Santos, na Folha. | Relator Edson Fachin vota no STF pela validade do inqu√©rito das fake news; julgamento √© suspenso, no G1. | Sem consenso, vota√ß√£o da "lei das fake news" √© adiada novamente no Senado, no UOL. | Barroso se re√ļne com diretores do WhatsApp para falar de mecanismos de conten√ß√£o de fake news, na Folha.


ūüćā Na segunda-feira, falamos na NFJ #282 sobre o artigo de opini√£o do senador Tom Cotton no NYT, que pediu interven√ß√£o militar para coibir os protestos nos EUA e culminou com a sa√≠da do editor James Bennet. O Nieman Lab repercutiu coment√°rios de especialistas. Para Emily Bell, se o manual de reda√ß√£o do NYT inclu√≠sse a recomenda√ß√£o ‚Äún√£o coloque um t√≠tulo em um artigo que voc√™ n√£o colocaria em um tweet‚ÄĚ, o texto de Cotton - cujo t√≠tulo era ‚ÄúEnviem as tropas‚ÄĚ - teria sido apresentado de maneira diferente, mesmo que as falhas fundamentais persistissem. Este texto do Poynter lembra que h√° desinforma√ß√£o no artigo de Cotton, e destaca uma fala da editora de Opini√£o do Washington Post, Karen Attiah, √† CNN: ‚ÄúJornalismo de opini√£o ainda √© jornalismo e precisa passar por verifica√ß√£o de fatos. A pessoa constr√≥i um argumento, mas ele tem que ser baseado em fatos e n√£o descaracterizar a realidade para se adequar √† sua agenda‚ÄĚ.


ūüćā Para marcar um ano de #VazaJato, o Intercept publicou nesta thread fotos de bastidores da cobertura e link para as 99 reportagens. Baixem esta pesquisa do Intervozes que analisa a cobertura de ve√≠culos brasileiros do vazamento de petr√≥leo na costa brasileira. Paul Bradshaw d√° orienta√ß√Ķes introdut√≥rias para jornalistas sobre an√°lise de redes. Aqui est√£o mais de 30 ferramentas, dicas e recursos para jornalistas, levantados pelo Poynter. O Puroperiodismo compilou webinars, cursos, pr√™mios e bolsas no m√™s de junho. Assistam √† live com Quennia Mendes, da Rede Amaz√īnica, sobre a cobertura da Covid-19 em Rond√īnia, promovida pela UNIR.


√Č isso, pessoal! Bom final de semana e at√© sexta que vem. ;)

Lívia Vieira e Moreno Osório


Nosso agradecimento de <3 vai para:

Adriana Martorano Vieira,Alciane Baccin, Ana Claudia Gruszynski, Ana Paula Rocha, Anderson Jos√© da Costa Coelho, Anderson Meneses, Andr√© Caramante, Andr√© Schr√∂der, Andrei Rossetto, Ariane Camilo Pinheiro Alves, Bernardete Melo de Cruz, Bibiana Garcez, Bibiana Os√≥rio, Boanerges Balbino Lopes Filho, Caio Cesar Giannini Oliviera, Carolina Oms, Carolina Silva de Assis, Casemiro Alves, Cec√≠lia Seabra, Cristiane Lindemann, Davi Souza Monteiro de Barros, Diego Freitas Furtado, Diego Queijo, Edmilson do Amaral Donini, Eliane Vieira, Emilene Lopes, Estelita Hass Carazzai, Fabiana Moraes, F√™Cris Vasconcellos, Felipe Ben√≠cio da Costa Dias, Felipe Cruz, Felipe Seligman, Filipe Techera, Flavio Dutra, Gabriel Jacobsen, Gabriela Favre, Giuliander Carpes, Guilherme Nagamine, Isaque Criscuolo, Itevaldo Costa Junior, Jana√≠na Kalsing, Jo√£o Vicente Ribas, Jonas Gon√ßalves da Silva, Jordana Fonseca, Jorge Eduardo Dantas de Oliveira, Leticia Monteiro, Luiz Denis Gra√ßa Soares, Marcela Duarte, Marcelo Crispim da Fontoura, Marco T√ļlio Pires, Margot Pavan, Maria Elisa Maximo, Mayara Penina, Michelle Raphaelli, Nadia Leal, Nara Leal, Nat√°lia Levien Leal, Paula Bianchi, Pedro Burgos, Pedro Luiz da Silveira Os√≥rio, Pedro Rocha Franco, Priscila Bernardes, Priscila dos Santos Pacheco, Rafael Grohmann, Raquel Ritter Longhi, Regina Maria Pozzobon, Roberto Nogueira Gerosa, Roberto Villar Belmonte, Rodrigo Muzell, Rogerio Christofoletti, S√©rgio L√ľdtke, S√©rgio Spagnuolo, Silvio Sodr√©, Tatiane de Assis, Vinicius Batista de Oliveira, Vivian Augustin Eichler, Washington Jos√© de Souza Filho.